Now Reading:
Comissão da Verdade pode descobrir como compra de calcinhas levou a PanAir à falência

Comissão da Verdade pode descobrir como compra de calcinhas levou a PanAir à falência

Ao anunciar que pretende investigar o caso da falência da PanAir durante o regime militar no Brasil, a Comissão Nacional da Verdade terá a oportunidade de descobrir, se ouvir tantos personagens de um lado quanto de outro, como um episódio pitoresco e pessoal deu início ao processo de cassação das rotas da companhia aérea.

A PanAir voou por 35 anos, dominou os céus do país até ser fechada em 1965 por canetada do brigadeiro Eduardo Gomes. Da noite para o dia, os aviões da concorrente Varig, então uma miúda mas muito próxima do regime, assumiram os trechos, operações e passageiros da voadora.

Mas nos bastidores, entre o início da conhecida perseguição à aérea e o fim das linhas, há um curioso roteiro que envolveu o dono da empresa, Celso da Rocha Miranda, o ex-presidente João Goulart, o depois presidente general Castelo Branco (1964-1967) e o brigadeiro Eduardo Gomes, segundo relata à coluna conhecido pesquisador que soube desta história.

No auge de suas operações, a PanAir ficou conhecida pela suas ligações com o ex-presidente Goulart, que fez toda a sua campanha pelo país com aviões cedidos pela empresa. Notoriamente, quando os militares tomaram o poder, se associaram à Varig e a distinção entre os grupos ficou além da concorrência comercial.

Celso Miranda era conhecido entre os amigos por misturar contas pessoais com as da PanAir. Em meados da década de 60, após a renúncia de Goulart e a ascensão dos militares, numa viagem a Paris, Celso comprou na conta da empresa umas calcinhas para presentear – a amante, na versão extraoficial.

Não se sabe ainda por qual via, mas suspeita-se muito que pela espionagem patrocinada pelos militares in loco na Europa, a nota fiscal da compra foi parar nas mãos da cúpula do governo federal. Descoberto o segredo dos amantes, dias seguidos o empresário da voadora viveu sob forte chantagem dos oficiais, a ponto de perder o rumo das atividades na empresa e prejudicá-la em suas operações.

Foi o momento em que o brigadeiro Eduardo Gomes aproveitou a turbulência administrativa e cassou as linhas da PanAir, num decreto presidencial, e as cedeu para o concorrente Ruben Berta, dono da Varig e suspeito também de ter patrocinado a espionagem. Centenas de funcionários ficaram sem empregos, e famílias sem sustentos; aviões enferrujaram nos pátios. E a Varig – hoje também falida – decolou.

A falência oficial da PanAir saiu em 1969 , durante o governo do presidente Costa e Silva (1967-1969). Àquela altura, ao herdar as rotas da PanAir, a Varig já era a maior da América do Sul – operava para os destinos latinos (Argentina, Chile, Paraguai, Peru, Uruguai), europeus (Alemanha, Espanha, França, Itália, Portugal, Suíça, Reino Unido) e para países da África, América do Norte e Oriente Médio.

Um dado curioso: Castelo Branco, o primeiro presidente militar do regime que patrocinou a suposta perseguição à PanAir, morreu dia 19 de Julho de 1967 num ainda inexplicado acidente aéreo, quando seu monomotor se chocou com um caça da FAB. Outra curiosidade: o caça era pilotado por um oficial de nome Malan, filho de um general, e irmão do economista Pedro Malan, ex-ministro de FHC. O piloto está vivo.

Uma boa oportunidade para a Comissão da Verdade, que faz amanhã no Rio a primeira audiência pública sobre o caso PanAir. Seria interessante incluir no check-list esse hangar de mistérios a ser aberto.

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Input your search keywords and press Enter.