Now Reading:
Demissão de general acirra ânimos entre Planalto e QG

Demissão de general acirra ânimos entre Planalto e QG

Um ano após o encerramento dos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade, voltou a ficar tenso o clima entre o Quartel General e o Governo Dilma.

A demissão do general Antônio Martins Mourão do 3º Comando no Sul estava programada. Ele é tido como voz dissonante do Governo há anos. O Ministério da Defesa só esperava um pretexto para concretizá-la. E o fato novo apareceu.

Foi a homenagem póstuma feita ao coronel Brilhante Ustra no QG do 3º Comando, em Santa Maria (RS) ( lembre aqui ) , com convite enviado a altos oficiais.

Era Mourão também um dos que incitava a caserna a promover funeral com honras de chefe de Estado, com a tropa fardada, para o ex-torturador chefe do DOI-COD.

A presidente Dilma soube da homenagem no Sul e considerou provocação desnecessária. Cobrou posição do ministro Aldo Rebelo e este procurou o comando do Exército. Mas não houve ato isolado do comando, a fim de preservar o oficial.

No boletim Informex do Exército consta nomes para promoção e transferências de outros 63 oficiais em todo o País. Mourão entrou na lista, e volta para Brasília.

Em tempo, para o lugar de Martins Mourão foi designado o general Edson Leal Pujol.

1 comment

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Input your search keywords and press Enter.