Brasília -
loader-image
Brasília, BR
1:22 pm,
temperature icon 28°C
nuvens dispersas
Humidity 47 %
Wind Gust: 0 Km/h
18 de abril de 2024 - 13:22h
Parceiros
Brasília - 18 de abril de 2024 - 13:22h
loader-image
Brasília, BR
1:22 pm,
temperature icon 28°C
nuvens dispersas
Humidity 47 %
Wind Gust: 0 Km/h
Parceiros

O bibliotecário imortal

#compartilhe

Quando foi contratado como office-boy para a Academia Brasileira de Letras, aos 17 anos, Luiz Antônio de Souza escorregou na gramática na frente do imortal Austregésilo de Athayde, então presidente do tradicional ninho literário. Trocou o “eu” por “mim” numa frase e foi advertido pelo patrão.

Passados 40 anos, Luiz Antônio recorda o erro como o trampolim para uma guinada em sua vida. O ex-garoto de recados, morador da Vila Cruzeiro, no subúrbio, tornou-se bibliotecário – hoje o mais antigo da Casa – e fez do contato com os livros mais que uma profissão. Fala francês e dá palestras. Seu grande sonho, confessa, ainda está por vir. Quer escrever um livro e tornar-se imortal.

– Não posso negar que seja um sonho de todos os que lidam com isso – revela Souza, ao referir-se a uma vaga no salão Petit Trianon.

Ele prefere não comentar seus projetos editoriais. Diz que uma cadeira na Casa é questão de muito tempo e talento, mas não um sonho impossível. E deu uma mostra: exibiu um texto em que fala da importância do livro para a sociedade. De quebra, faz uma breve análise da obra de Machado de Assis – seu ídolo. Com base nisso, Souza já proferiu dezenas de palestras em escolas da Região Metropolitana do Rio.

Em meio a tantos exemplares, o bibliotecário encontra campo aberto para se aprimorar – tem uma meta de leitura que, se não torná-lo tão letrado quanto os imortais, ao menos o colocará na seleta lista dos amantes da literatura. Em casa, possui mais de 1.200 livros.

– Minha mãe mal sabia falar, mas em minha casa havia muitos dicionários e enciclopédias. Hoje, leio pelo menos 25 livros por ano. E tenho muitas outras obras autografadas pelos imortais – diz, com orgulho.

Aos 57 anos, Souza por enquanto quer o anonimato. Discorre sobre política, futebol e religião sem tropeços, com a eloquência adquirida nas três décadas de convivência com os escritores na sede da ABL. Tem mais tempo de casa que todos os imortais ali.

E teve o privilégio de cumprimentar mais de 40 eleitos.

– Uma pessoa que marcou muito a minha carreira foi Antonio Houaiss. Foi para ele que fiz o meu primeiro trabalho como bibliotecário e ele se tornou uma referência para mim.

O contato com os imortais é outro ponto positivo na carreira de Souza, segundo conta. Aprendeu a falar francês, por exemplo, depois de ganhar uma bolsa do acadêmico Américo Jacobina Lacombe, falecido em 1993.

– Quero viajar para a França e conhecer a academia de lá, além do palácio Petit Trianon.

Não é por menos que Souza respira literatura. Sob sua tutela, na biblioteca, estão o tinteiro de Euclides da Cunha, a escrivaninha de Olavo Bilac e algumas estantes de Manuel Bandeira. Nas prateleiras, acervos de Machado e Afrânio Peixoto, entre outros.

Fora dali, quer ser professor. Pretende fazer um curso e lecionar Português.

– Esta a glória que fica, eleva, honra e consola – cita a frase machadiana, enquanto cultiva o sonho de uma vaga na ABL.

O imortal Arnaldo Niskier é admirador do bibliotecário, mas vê com cautela o seu sonho:

– Não conheço ainda nada do que ele escreveu. Para entrar na academia é preciso escrever bem, não só falar bem – ressalta, sem contudo desacreditar Souza.

(reportagem publicada por mim originalmente em 2003, pelo JB. Reeditada em Setembro de 2012 com atualização de números e datas)

1 comentário em “O bibliotecário imortal”

  1. Gostaria de dizer a Luiz Antônio apenas uma frase meio adágio, meio argumento, que sempre uso quando vejo que nada falta a uma pessoa para dar a partida a um objetivo, a um sonho, e, ou, ainda, a uma esperança. Você esta completo, só falta dar inicio ao seu sonho e focar tudo nele. Então mãos à obra, o que esta esperando para começar a escrever!?. Saudações. Wil.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.