Now Reading:
Transportes: a faxina que não existiu

Nem o PR saiu perdendo na suposta faxina feita aos holofotes no Ministério dos Transportes. O partido manteve seus apadrinhados nas 17 superintendências regionais do DNIT, que cuida de orçamento bilionário das rodovias. O ex-ministro Alfredo Nascimento emplacou no cargo seu adjunto Paulo Sérgio Passos. A ex-chefe do Jurídico Yolanda Pereira apadrinhou Paulo Kuhn, seu subordinado. E com aval de senadores, Bernardo Figueiredo deixou a ANTT para o amigo Daniel Siegelman.

Em resumo

O PR continua lá. E todos os que saíram emplacaram seus nomes de confiança. O que houve foi perda de status de Nascimento e do PR.

Trilho quente

As próximas mudanças devem acontecer na Valec, a estatal subordinada aos Transportes que cuida das ferrovias. Também com orçamento bilionário.

Leia a íntegra da coluna nos jornais (ao lado)


Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Input your search keywords and press Enter.